terça-feira, 2 de maio de 2017

Duelo

Tanto tempo sem nenhum sinal teu que acredito ser melhor, assim desbravo a solidão. É nessa hora que adentras sorrateiramente os meus pensamentos e eu quase me afogo com tua presença, ouço tua voz chamando meu nome e eu corro ao teu encontro. Eu grito vai, vai embora de mim, e tão logo esmaeço, desboto meu riso e suplico não vá. Fica, por mais esta noite, pelo resto dos dias, fica aqui. E é neste negar-te que se instaura o duelo entre o anseio de esquecer e o de enlouquecer contigo.
Postar um comentário